Covid-19: Máscaras sociais com certificação falsa

TRADELABOR has more than 20 years of experience in the control and treatment of air, working with an experienced and qualified technical staff and with the most advanced technology in this area, which together guarantee the quality of the services provided.

 

 

Grande parte das empresas que vendem máscaras reutilizáveis nunca pediu certificação ao Centro Tecnológico das Indústrias do Têxtil e do Vestuário (Citeve), único centro com protocolo com a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. (Infarmed) e a Direção Geral da Saúde (DGS) para certificar a qualidade destes equipamentos de proteção individual.

A noticia é avançada pelo “Jornal de Notícias” que falou com o Citeve sobre esta questão.

O Citeve indica que muitas das máscaras sociais colocadas à venda para combater a pandemia de covid-19 “podem não cumprir parâmetros fundamentais para que a proteção possa acontecer”, uma vez que não foram testadas.

“Não há nenhuma máscara certificada que resista a 25 lavagens, muito menos a 50 e ainda menos a 90”, afirmou o diretor-geral do Citeve, Braz Costa, ao JN.

A “Rádio Observador” já tinha feito uma noticia sobre o processo de certificação das empresas de têxteis que estão a produzir máscaras sociais reutilizáveis. Segundo este órgão de comunicação, a certificação começou a semana passada e o Citeve já se tinha visto obrigado a fazer dois turnos de trabalho para dar conta de tantos pedidos.

No portal do Citeve, o número de empresas certificadas, e a iniciar a produção, ultrapassa as dezenas, pois segundo Braz Costa “há agora uma grande pressão da indústria no sentido da produção de máscaras comunitárias”.

Segundo a Citeve, são vários os requisitos para a certificação das máscaras sociais reutilizáveis de nível 3, que são as direcionadas para a população em geral e com uma capacidade de retenção de partículas no mínimo de 70%. As máscaras profissionais de nível 1 e 2 têm uma capacidade de filtragem mínima de 90% e são destinadas a serem usadas por profissionais.

Para além dos materiais que podem ser utilizados, um dos fatores decisivos está relacionado com o número de lavagens a que cada máscara tem de resistir para ser certificada, sendo que cinco lavagens é o número mínimo.

Para isso, foi criado um selo que permite ao consumidor obter a informação da vida útil da máscara antes de a comprar.

“Uma máscara reutilizável tem de ser testada na fase inicial mas também depois do número de lavagens para que foi desenvolvida. Cada máscara vai resistir a um determinado número de lavagens. Foi por isso que criámos um selo com a indicação do número de lavagens que aquela máscara resiste”, indicou Braz Costa, à “Rádio Observador”.

Continue at:  https://www.netfarma.pt/covid-19-mascaras-sociais-com-certificacao-falsa/

 

 

The text above is owned by the site above referred.

Here is only a small part of the article, for more please follow the link

Also see:

www.manostaxx.com

 

Manostaxx
Manostaxx – Industrial Management Consulting

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *