Cânhamo (Cannabis sativa) e/ou CBD (canabidiol) em Alimentos

TRADELABOR has more than 20 years of experience in the control and treatment of air, working with an experienced and qualified technical staff and with the most advanced technology in this area, which together guarantee the quality of the services provided.

 

 

 

Nos últimos anos tem-se verificado um aumento da procura e disponibilização no mercado nacional de géneros alimentícios e de produtos fitoterápicos nos quais na sua composição consta a planta Cannabis sativa, as suas sementes, extratos, óleos, ou apenas as suas substâncias químicas de forma isolada como o canabidiol (CBD) ou outros canabinoides. Dada a especificidades desta planta e atentos à moldura legal atual, torna-se importante, assegurar proteção dos interesses dos consumidores, incluindo as boas práticas no comércio de géneros alimentícios, tendo em conta, sempre uma adequada proteção da sua saúde.

A Comissão Europeia considera que os géneros alimentícios com extratos de qualquer parte da planta Cannabis sativa L, bem como alimentos aos quais tiverem sido adicionados extratos de Cannabis sativa L (por exemplo óleo das sementes, são novos alimentos1  autorizados, desde que o teor de tetra-hidrocanabiol – THC das superfícies (caule e sementes) das variedades de plantas utilizadas não exceda os 0,2%(w/w), conforme prevê o Regulamento (UE) nº1307/2013 de 17 dezembro. No entanto, a Comissão Europeia  considera que deverão ser atendidas as outras legislações especificas de cada Estado-Membro relativas às restrições de colocação no mercado da canábis como alimento ou como ingrediente de alimento (COM, 2019).

A este propósito, salienta-se que, em Portugal, está em vigor o Decreto-Lei n. 15/93, de 22 de janeiro, que define o regime jurídico aplicável ao tráfico e consumo de estupefacientes e substâncias psicotrópicas, e o Decreto Regulamentar nº 61/94, de 12 de outubro, que estabelece as regras relativas ao controlo do mercado lícito de estupefacientes, substâncias psicotrópicas, precursores e outros produtos químicos suscetíveis de utilização no fabrico de droga, compreendidos nas tabelas I a VI anexas ao Decreto-Lei nº 15/93, de 22 de Janeiro. Estes diplomas proíbem o cultivo de cânhamo (Cannabis sativa L) sem excecionarem o cultivo das variedades que se destinam a fins industriais. Contudo, a recente Lei nº 8/2019, 23ª alteração ao Decreto-Lei nº15/93 de 22/01, que aprova o regime jurídico aplicável ao tráfico e consumo de estupefacientes e substâncias psicotrópicas, e que transpõe a Diretiva (UE) 2017/2103, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de novembro, prevê a utilização da planta canábis apenas para fins medicinais, em medicamentos, preparações e substancias, com prescrição medica (INFARMED, 2019).

Assim, os alimentos derivados da planta Cannabis sativa L autorizados para ser comercializados na União Europeia, e que apresentam histórico de consumo seguro e significativos, são os provenientes exclusivamente das sementes do cânhamo, nomeadamente óleo de sementes, proteína de cânhamo, farinha de cânhamo, e sempre com a premissa que sejam provenientes de variedades de Cannabis sativa L contendo THC inferior a 0,2% (w/w) e desde que não apresentem na sua rotulagem/publicidade alegações de saúde e propriedades terapêuticas.

Desta forma, e de acordo com o previsto nos requisitos do Regulamento (UE) nº 2015/2283, relativo a Novos Alimentos e Ingredientes Alimentares, as flores, folhas e extratos de qualquer parte da planta Cannabis sativa L, bem como alimentos aos quais tiverem sido adicionados essas partes e/ou extratos são novos alimentos e para poderem ser colocados no mercado terão que passar pelo procedimento de autorização, conforme estabelecido no Regulamento (UE) nº 2015/2283, aos quais será efetuada uma análise de risco pela Autoridade de Segurança Alimentar Europeia (EFSA).

Relativamente à utilização de canabinoides, nomeadamente canabidiol (CBD) e o delta-9-tetraidrocanabinol (THC), cannabigerol (CBG), cannabinol (CBN) e outros, usados em alimentos, à semelhança das partes de planta e seus extratos, são considerados novos alimentos não autorizados (COM, 2019), não tendo sido demonstrado até à data historial de consumo significativo e seguro na União Europeia antes de 15 de maio de 1997. Assim, a comercialização de alimentos com estas substâncias não está autorizada.

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), enquanto Autoridade administrativa nacional especializada no âmbito da Segurança Alimentar e da Fiscalização Económica, com poderes de investigação criminal, tem direcionado a sua atuação de modo a assegurar aos Consumidores que, os géneros alimentícios colocados no mercado não põem em risco a sua segurança e saúde e que são defendidos os seus interesses, na garantia de uma sã e leal concorrência entre os operadores económicos. A ASAE, no âmbito do Controlo Oficial dos Géneros Alimentícios, em particular na execução do Plano Nacional de Fiscalização Alimentar (PNFA), tem vindo a desenvolver diversas ações de fiscalização no âmbito do uso da cannabis sativa L e canabinioides nos alimentos. No decurso das ações desenvolvidas, a nível nacional, de janeiro a novembro de 2019, foram inspecionados, neste âmbito, 50 operadores económicos, tendo sido apreendidos diversos alimentos/produtos num valor total de 15042€. As principais infrações verificadas foram géneros alimentícios falsificados por adição de substâncias não autorizadas, irregularidades de rotulagem e ausência de notificação de suplementos alimentares à autoridade competente.

_________________________

* UTAD(2019). Ficha técnica da espécie Cannabis sativa. UTAD Jardim Botânico. Disponível em https://jb.utad.pt/especie/Cannabis_sativa
** imagem extraida de Agencia Brasil, disponivel em http://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2017-05/anvisa-inclui-cannabis-sativa-em-relacao-de-plantas-medicinais

Cânhamo (Cannabis sativa) e/ou CBD (canabidiol) em Alimentos
Referências:

Comissão Europeia (2019) a). Novel Food Catalogue lists products of animal and plant origin and other substances subject to the Novel Food Regulation, disponivel em http://ec.europa.eu/food/safety/novel_food/catalogue/search/public/index.cfm

INFARMED (2019). Infomed. Base de dados do medicamento http://app7.infarmed.pt/infomed/detalhes.php?med_id=55492&dci=Y2FubmFiaXM=&nome_comer=&dosagem=&cnpem=&chnm=&forma
farmac=&atc=&disp=&estado_aim=&pesquisa_titular=&cft=&grupo_produto=&pagina=1

_____________________________________

1 Os novos alimentos são aqueles cujo consumo na União Europeia (UE) era raro ou mesmo inexistente antes de maio de 1997. A colocação dos novos alimentos no mercado, só poderá efetuar-se após ser realizada uma avaliação de segurança no âmbito do Regulamento (UE) n° 2015/2283

 

Continue at:  https://www.asae.gov.pt/newsletter2/asaenews-n-118-dezembro-2019/canhamo-cannabis-sativa-eou-cbd-canabidiol-em-alimentos.aspx

 

The text above is owned by the site above referred.

Here is only a small part of the article, for more please follow the link

Also see:

www.manostaxx.com

 

Manostaxx
Manostaxx – Industrial Management Consulting

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *